Apagão em TI pode ser resolvido com terceirização

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A carência de profissionais qualificados para a área de tecnologia da informação das empresas chegou a um nível preocupante e se explica por várias razões. Em primeiro lugar, embora tenha melhorado a formação desses profissionais – que já foi muito precária no passado – o mercado ainda questiona os especialistas em TI saídos da faculdade. Para muitas empresas, as escola que formam profissionais de TI não entendem as necessidades do mercado e formam pessoas com conhecimentos limitados de tecnologia e relacionamento profissional.
Outra questão relevante tem sido a incapacidade de muitas empresas de reterem seus profissionais em função de problemas de gestão de pessoas. Falta de reconhecimento, sobrecarga de trabalho, pressões por resultados em ambientes com infraestrutura ruim são apenas alguns dos fatores que levam muitos jovens a buscarem outras oportunidades. As empresas estão perdendo profissionais inclusive em função do empreendedorismo de muitos jovens, que optam por abrir sua própria empresa. Uma pesquisa recente evidenciou que entre 50.000 jovens, 56% ambicionavam abrir a própria empresa. Se é fato que poucos conseguirão chegar lá, a pesquisa revela, no entanto, uma descrença cada vez maior por parte dos jovens sobre uma carreira de sucesso em alguma empresa.
As áreas de TI corporativas, ou seja, aquelas estruturas de TI convencionais, instaladas dentro das empresas, enfrentam graves problemas de sustentabilidade. O primeiro deles é justamente o caráter limitado da estrutura de TI e dos softwares utilizados que, por melhor que sejam, levam os profissionais a se tornarem especializados em determinadas tecnologias que, como todos nós em TI sabemos, podem mudar ou até desaparecer.
Outro aspecto dessas áreas é que o desenvolvimento profissional de suas equipes estará quase sempre condicionado às tecnologias utilizadas pela empresa, o que limita o desenvolvimento das pessoas. Conhecemos casos de profissionais de áreas corporativas de TI que não diversificaram seu conhecimento a ponto de se tornarem inúteis quando a tecnologia que eles conheciam se tornou superada. Esse é um risco que os profissionais de TI melhor preparados sabem que é preciso evitar.
Mas talvez o fato que mais afasta os jovens das estruturas corporativas de TI é justamente a falta de mobilidade profissional. E isso não diz respeito apenas a promoções, mas especialmente em relação a oportunidades de diversificação de conhecimento, contato com diferentes tecnologias e sistemas e interação com empresas em segmentos variados.
O que constatamos com cada vez mais frequência é que empresas com estruturas de TI conservadoras, presas a determinadas infraestruturas e sistemas, estão com dificuldades crescentes para atrair e reter talentos. Muitas lutam com elevadas taxas de turnover e precisam recrutar cada vez mais pessoas para manter algumas na equipe. Essa situação, desgastante por si só, não é sustentável a médio ou longo prazos. As dificuldades para atração e retenção de profissionais de TI serão crescentes e exigem uma nova abordagem para serem solucionadas.
Uma solução que muitas empresas estão encontrando é a terceirização da área de TI. Embora pareça radical, a medida traz ganhos consideráveis em várias áreas. Em primeiro lugar, a empresa deixa de se preocupar com a necessidade de atrair e selecionar profissionais de TI, uma vez que esse pessoal é garantido pela empresa terceirizada. Outra vantagem é que as empresas terceirizadas, por atenderem clientes em diversos setores da economia, reúnem um conhecimento ampliado sobre infraestrutura e sistemas ao qual uma área exclusiva de TI dificilmente teria acesso. Esse conhecimento ampliado pode ser vital em situações de troca de sistemas ou até mesmo implementações de softwares complexos como ERP ou CRM.
Antes considerada tabu, a terceirização da área de TI vem sendo praticada por mais e mais empresas, que resguardam seus interesses em contratos de prestação de serviços que garantem a qualidade do atendimento. Para algumas organizações, mais visionárias, a terceirização vai além do pessoal, alcançando mesmo a infraestrutura, que passa a ser fornecida por empresas especializadas. Embora não possamos falar que os processos de terceirização apenas reduzem custos, o que a prática tem demonstrado é que essa ação elimina problemas com gestão de pessoal e permite que a empresa possa crescer rápido, pois a área de TI deixa de ser um gargalo.

Leia também:  Como diminuir os conflitos na vida e no trabalho?

Miguel Ruiz

Sócio da MR Consultoria, empresas especializada em processos de outsourcing de TI e consultoria na implementação de sistemas complexos como ERP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *