Veja Porque a Cobrança de ICMS na Conta de Luz é ilegal

A energia elétrica é primordial à nossa sociedade, por ser básico ao progresso socioeconômico. Com o passar dos anos o consumidor vem sentindo a elevação aceitável na sua conta de energia elétrica. Os consumidores são constantemente penalizados com as revisões tarifárias e reajustes.

Nestes atuais tempos de crise e desabastecimento de água, estão ocorrendo diversos aumentos essenciais, aumentos no valor de produtos que trazem peso expressivo, e um dos principais deles é a energia elétrica, que realizou reajustes em diversas regiões metropolitanas, não apenas em termos de tarifas, assim como também no bocado extra, que é a bandeira tarifária.

A coleta de energia elétrica apresenta uma alteração de acordos com a agremiação e a forma de consumidor. Dessa maneira, é de se certificar que dentro da coleta de energia elétrica há os seguintes componentes:

  • A energia elétrica em si;
  • Encargos Setoriais;
  • Encargos de Consumo dos Sistemas de Transmissão e de Abastecimento;
  • Tributos.

São entendidos como encargos setoriais os custos não gerenciáveis suportados pelas concessionárias de abastecimento, instituídos por Arbítrio, belzebu repasse aos consumidores é derivado da garantia da imobilidade econômico-financeiro contratual.

Os encargos setoriais integrantes nos processos tarifários são os seguintes:

  1. Conta de Progresso Energético;
  2. Programa de Acendedor às Fontes Opção de Energia Elétrica;
  3. Agradecimento Financeira pela Uso de Recursos Hídricos;
  4. Encargos de Serviços do Sistema;
  5. Alíquota de Controle dos Serviços de Energia Elétrica;
  6. Estudo e Progresso;
  7. Achega ao Agente Nacional do Sistema.
Leia também:  Projeto transforma lacres de latinhas em cadeiras de rodas

Por que as concessionárias continuam cobrando este imposto?

Por uso constitucional, coisa de energia elétrica apenas são capazes de ser tributadas pelo ICMS. O ICMS não pode acometer, tendo como exemplo, sobre a TFSEE, cuja intenção é abastar recursos para o desempenho da ANEEL, nada tendo a analisar com a cirurgia de energia elétrica.

A alíquota de controle de serviços de energia elétrica foi instituída pelo arbítrio 9.427/96, regulamentada pela bula 2.410/97, e a posteriori alterada pelo arbítrio 12.783, de 11 de janeiro de 2013, que reduziu o valor da TFSEE de 0,5% para 0,4% da vantagem acessível anual auferido pela concessionária.

O valor anual da TFSEE é acertado pela ANEEL para alicerçar sua prescrição e a abafador da ajuda de suas atividades.  O ICMS não pode acometer sobre os encargos de consumo dos sistemas de transmissão ou abastecimento, de acordo com a destreza acostumada pela súmula 166 do STJ. “Não constitui feito agente do ICMS o simples desvio de produto de um para outra determinação do inclusive colaborador. ”

Leia também:  Oficina de artesanato de Páscoa abre agenda do Programa Cooper Pratic 2014

Assim, os Estados da Aliança e o DF, fazem acometer o ICMS sobre a integralidade da conta de energia.  Os Estados, em suas defesas, costumam abrolhar a existência do art. 155, §2°, IX, b, da CF, de acordo com o qual o ICMS incidirá sobre o valor completo da cirurgia, no momento em que itens forem fornecidas com serviços não compreendidos no alcance tributário dos municípios.

No entanto, como a energia flui constantemente nas redes de transmissão e de abastecimento, não existe um de serviço de transporte ou aluguel, sendo inaplicável o afeito no texto 155, alínea 2º, IX, ‘b’, da CF, e no texto 13, I, e alínea 1º, ‘a’ e ‘b’, da LC 87/96.  Quanto aos encargos setoriais, estes ao menos são princípios devidos às concessionárias, porém efetivamente à ANEEL, ao ONS, ou à Eletrobrás (subsídios).

O valor acertado a maior por cada consumidor brasileiro, em justificativa da equivocada existência do ICMS, varia de acordo com a forma de consumidor, a forma de acordo, o estado no qual se encontra (ICMS varia de 18% a 29% dependendo do Estado).

Leia também:  Pedidos de falência voltam a cair em novembro, segundo Serasa

Na média, pode-se certificar que a diminuição esperada na conta de energia demente em redor de 10%. Isto é, de uma conta de R$ 10 mil, conseguirá cabedal uma diminuição mensal de R$ 1 mil.

Argumento que o imposto acertado a maior nos últimos 5 anos pode ser coisa de compensação ou agradecimento, estimando-se uma conta mensal de R$ 10 mil, nos últimos 5 anos, o valor a ser restituído representaria R$ 60 mil.

Fundamental aduzir, que essa forma de atuação precisa ser afetada especialmente em oposição à o Estado ou Distrito Federal, sendo esse a coisa que acontece a arrecadação do ICMS.  Então, a concessionária de abastecimento de energia elétrica não tem aceitabilidade passiva nesta forma de atuação.

 

Como recorrer a cobrança indevida do ICMS na conta de luz?

Recentemente foi lançado o Guia de Restituição de ICMS na Conta de Energia Elétrica, que mostra de maneira simples em um passo a passo como reaver junto as concessionárias de energia elétrica todo valor cobrado indevido nos últimos 5 anos.

Quer conhecer um pouco mais sobre o Guia de Restituição de ICMS? Então clique no link e leia este artigo completo.

Fote: https://oblogdakaren.com/guia-de-restituicao-do-icms/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *